Ovário

O câncer de ovário é um tumor que incide mais em mulheres acima dos 50 anos, não
apresenta sintomas nos estágios iniciais e não tem método efetivo para rastreamento.
Os ovários são órgãos produtores de hormônios e responsáveis pela ovulação. Após a
menopausa, acabam por atrofiar.

A presença de um nódulo ou massa na região dos ovários, trompas ou para-uterina
merecem investigação pela suspeita de um câncer de ovário.

O que pode detectar essa alteração é o ultrassom abdominal ou pélvico/transvaginal, mas a
ressonância magnética consegue dar detalhes mais precisos sobre essa alteração.

Alguns exames de sangue como o CA125 podem sugerir a presença de um tumor de ovário
maligno.

O diagnóstico só é firmado com a retirada do mesmo e análise pelo médico patologista.
Quando da sua confirmação, o tratamento via de regra é composto de cirurgia e
quimioterapia.

A cirurgia consiste na retirada do útero, trompas e ovários, além do omento, uma gordura
abdominal que temos abaixo do estômago, e dos gânglios que fazem a drenagem da região
uterina e ao longo dos grandes vasos (aorta e cava).

O tumor de ovário tem uma característica muito peculiar que é a disseminação pelo
peritônio, película que recobre os órgãos e a parede abdominal internamente. E durante a
cirurgia esses implantes são também removidos com intuito de remover o máximo de
doença possível.

A quimioterapia é indicada na maioria dos casos de câncer de ovário com intuito de reduzir
a doença, quando está em estágios mais avançados, aumentando a chance de uma cirurgia
completa. E também é realizada após a cirurgia para eliminar as células invisíveis a olho do
cirurgião ou que estão circulantes no corpo, diminuindo assim as chances do
reaparecimento da doença.

COmpartilhe este post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email